São asas que eu nunca pude usar.

Um diário. Um desejo. Um desabafo. Um desaforo. Um suor que escorre do coração aos dedos. Uma insônia que atormenta. Um medo, que transborda. Pensamentos que reviram e remexem e acabam vindo parar aqui.

quarta-feira, 30 de outubro de 2013

"É a vida, é bonita e é bonita"


A vida tem passado rápido demais e temos aproveitado de menos. É muita avidez pra  poucas horas, são muitas vontades pra pouco tempo, é muita pressa pra se ter paz. As coisas passam, os momentos acabam e se você puder ao menos notar a importância disso ainda quando em curso... Às vezes, sinto umas saudades enlouquecedoras de gente que me fez sorrir, que carregou minha bolsa no ônibus, daquela velhinha que me encontrou na rua e me contou tudo sobre a vida dela, do moço de dreads que mora na rua lá na beira-mar que sempre dá um tchauzinho quando passo no circular e com o qual a rotina nunca me me permitiu conversar, do Pedrinho do metrô que tinha 5 anos e me faz refletir até hoje sobre minha vida inteira, das pessoas que amo, das que gosto e das que eu amo sem gostar, das pessoas que passam todos os dias na minha vida, das que ficam e das que convivo diariamente e das que, de repente, a vida tratou de levar pra longe do meu corpo, mas que permanecem comigo e que vez ou outra, imagino encontrar por aí, por coincidência. Saudades do infantil V, minha primeira paixão, e de todas as outras paixões que eu tive na vida [risos] e da última, que eu tenho saudade de perto e tenho saudade de longe. Do pessoal da escola, do pessoal da rua, ando com saudade até de mim e me surpreendo de já não ter mais saudade de algumas coisas, de algumas pessoas e com um orgulho bom vejo que aos poucos vou aprendendo a necessitar só de mim e a querer por perto quem assim também deseja, e por incrível que pareça tem gente que deseja rs! A vida segue, eu sigo e comigo tudo o que é/foi bom.  E pra cada fim, a continuidade absoluta e inquebrável do recomeço, uma nova etapa, novos horizontes, novas pessoas, novos olhares, novas conquistas, novos motivos pra nutir minha felicidade... Guardando com amor, carinho e gratidão o que é antigo e faz bem. Abraçando com sinceridade todos os desafios que me esperam! ♥ :3


E COM TUDO E POR TUDO, UMA IMENSA VONTADE DE FALAR UM A UM O QUANTO SÃO IMPORTANTES! 

quarta-feira, 16 de outubro de 2013

Você.


Em um, dois, vinte anos?
Quando você vai embora?
Quando você vai me deixar?
Só me diga se pretende ficar!
Por favor me avise quando chegar a hora!
Quando vai e quanto vai doer.
Me diga, pra que eu me prepare, ensaie na frente do espelho:
AH, CLARO, TANTO FAZ. MAS VÁ E NÃO VOLTE! EU SEMPRE TE ODIEI.
É mentira, sim, mas quem vai saber?


sexta-feira, 11 de outubro de 2013

Resquícios de você


Chegou.
Sorriu.
Leu.
Encantou. 
Amou. 
Inundou.
Roubou.
Mostrou.
Brigou.
Refletiu.
Brigou.
Desculpou-se.
Rasgou.
Destruiu.
Quebrou.
Estraçalhou.
Vitimizou-se.
Amou.
Pisou.
Passou pelos restos de mim no chão com um sorriso radiante no rosto e na mão uma outra mão.

Livre.

Era sólido e dissipou-se no ar.
Uma canção que a vida fez silenciar.
Era um grão que o vento quis levar.
Mas esse sonho livre de viver mil amores e desembarcar no porto em que as extremidades do teu corpo clamam por prazer, faz parte, meu amor, da natureza desse ser.
Eu disse que você se apaixonou na hora errada, mas existe hora pra se apaixonar?
Se no mar que tu navegas já vivi uma eternidade,  tu foste como a água salina que invade os meus pulmões. Queima.
Me afogo.
Mas respirar é tão instintivo, meu bem, que nem notei que você estava ali, até o dia em que me sufocou.
Eu até gosto de sofrer assim, mas esse tal amor que sentes é muito pra mim.
Eu já te disse que não penses que descarto o teu amor por outro, por aí.
Mas é que nem só de amor vive o homem que sabe por onde ir.
Nas extremidades do conflito, tão promíscuos meus pensamentos sobre o meu corpo.
Nas extremidades das relações, do coração, falta de razão.
Tão extremo que rasgou a goela, pulou do barco, fugiu das mãos como um sabonete velho, foi embora e morreu sem ar.

Meu bem, meu amor, meu neném. Um clichê.


É tão tarde pra tentar te esquecer.
É tão tarde pra tentar não te querer.
Tão mais tão tarde pra tentar não sofrer assim por ti.
"Mas todo sofrimento um dia tem fim".